“Um caso muito difícil e complicado”, começa a explicar o diretor técnico do Complexo Regulador Estadual (CRE), Genésio Pereira. No último domingo, o órgão – que é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) – tomou conhecimento do caso de M.A.F.S, paciente de 54 anos de Goiatuba. Ela estava com um grave aneurisma dissecante de aorta aguardando transferência para uma Unidade de alta complexidade.

O caso exigia estrutura para cirurgia e um profissional cirurgião cardíaco. Porém, enquanto esperava, M.A.F.S estava recebendo atendimento no Hospital Municipal Dr. Henrique Santillo, em Goiatuba. A única Unidade na região de Goiânia capaz de atender ao caso seria o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Goiás (HC-UFG/EBSERH). Porém, o local realiza um procedimento do tipo por semana e a agenda já estava totalmente ocupada até o final do ano.

A busca pela vaga

Goiatuba, por ser uma cidade que faz parte da Regional Sul de Saúde, região pactuada com o CRE, foi imediatamente atendida pelo Complexo e a paciente foi transferida para o Hospital Nasr Faiad, em Catalão. “Este Hospital vem se mostrando um grande parceiro da Regulação Estadual. Ele tem toda a estrutura, tanto da prótese como Centro Cirúrgico e o cirurgião cardíaco para atender M.A.F.S. Eles prontamente atenderam ao nosso pedido”, continua Genésio.

Dessa forma, a paciente em estado grave conseguiu a vaga necessária – o que não teria ocorrido se ela dependesse apenas da regulação da Central de Goiânia. A busca pelo leito em Catalão só é possível graças a integração da rede de vagas do Estado através do SERVIR – Sistema Estadual de Regulação de Vagas Integradas à Rede; uma plataforma online desenvolvida especialmente para atender as demandas dos pacientes goianos.

“Com isso, ela ficou até mais perto de seus familiares, já que Catalão é um município da Região Estrada de Ferro, mais próximo à Região Sul e a Goiatuba do que a grande Goiânia”, explica o diretor técnico.

Ajustar fonte