O Complexo Regulador Estadual (CRE), órgão da Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO), atua hoje com moderno sistema em nuvem que garante uma organização integrada de vagas de urgência e emergência nas Unidades públicas conveniadas. A prova disso foi a garantia de uma vaga de UTI para uma paciente de 75 anos de Ipameri. Entubada e em estado grave, ela aguardava um leito em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) quando o CRE entrou em ação.

“Obedecendo ao princípio de regionalização, buscamos vagas nas unidades de referência próximas. Os três hospitais, localizados em Catalão, não tinham disponibilidade. Foi aí que conseguimos uma vaga no Hospital Padre Tiago na Providência de Deus, em Jataí”, explicou Genésio Pereira dos Santos, diretor técnico do CRE. A Unidade de Jataí, coincidentemente, havia entrado no sistema integrado do CRE há menos de 24 horas quando a vaga para a paciente de Ipameri foi solicitada. “Tivemos uma reunião na segunda-feira e na terça-feira já estávamos regulando pacientes para essa Unidade”, detalhou Genésio.

Entretanto, havia um problema. A distância de Ipameri a Jataí é de 456km, um caminho muito longo para um paciente em estado grave enfrentar. O SAMU chegou a iniciar a transferência, mas, logo no início do percurso, o CRE conseguiu a liberação de uma vaga no Hospital Sagrado Coração de Jesus, em Nerópolis. O ganho disso foi uma economia de mais de duas horas no percurso.

“Nóscontactamos via celular o motorista da ambulância e, ao invés de percorrer mais 300km, ele simplesmente desviou o caminho para a cidade Nerópolis. Essa é a principal vantagem de um sistema de regulação moderno como o do CRE. Possibilita encurtar caminhos e fazer com que o paciente chegue com menor tempo ao leito que necessita. Isso salva vidas e ainda gera economia de recursos”, resumiu Genésio.

Regulação por região

A região da Estrada de Ferro, onde está localizada a cidade de Ipameri, começou a contar com a regulação intermediada pelo CRE na primeira semana de agosto. Agora, os 18 municípios da região fazem uso do SERVIR – Sistema Estadual de Vagas Integradas à Rede e que foi desenvolvido especialmente para o uso do CRE. Ele garante diferenciais como ganho no tempo de resposta, quantidade de leitos regulados, transparência e garantia de equidade.

Há pouco mais de uma semana desde a implementação, o secretário de saúde de Ipameri, Fauze Junior, já comemora a novidade. “Faz exatamente uma semana que o CRE está atuando em nossa região, a região Estrada de Ferro e os primeiros resultados já são motivo de satisfação. O principal gargalo, na minha opinião, que é a transparência na gestão de saúde, é resolvido com o trabalho do Complexo. Ele traz agilidade e transparência”, disse.

Fauze recomenda que outros secretários de saúde municipais busquem a SES-GO para que o CRE passe a gerir também as Unidades de Saúde das demais regiões do Estado. O Complexo já atua nas regionais Estrada de Ferro, Sudoeste I e II; e, nos dias 21 e 20 de agosto, passará a atuar também na região do Rio Vermelho.

Ajustar fonte