O paciente passa por tratamento oncológico e precisa realizar uma consulta no Hospital de referência HCB, em Brasília

O Complexo Regulador Estadual (CRE) de Goiás intermediou um importante trabalho para realizar o transporte de um paciente de 1 ano e 8 meses, internado no Hospital Materno Infantil (HMI) em Goiânia. O quadro médico é grave, como explica a Diretora Técnica do HMI, Dra. Cristiane de Souza Carvalho. “Ele foi internado com um quadro de dor abdominal e uma massa no abdômen. Com a realização dos exames, diagnosticamos uma imagem no fígado sugestiva de um câncer hepático Além disso, o paciente também apresentou um sopro cardíaco que, no ecocardiograma, apresentou uma massa infiltrando uma porção do coração, o que pode ser outro tumor ou uma metástase”, explicou.

O HMI conseguiu autorização com a Secretaria de Saúde do Estado (SES-GO) para um tratamento fora de domicílio (TFD) em busca de um Hospital de referência que pudesse atender à criança. Uma consulta foi marcada no Hospital da Criança de Brasília (HCB) nesta sexta-feira, 17 de dezembro. 

Como o transporte é muito delicado, a Dra. Cristiane  entrou em contato com o CRE solicitando auxílio para que fosse viabilizada uma ambulância ou um transporte aéreo. “É um paciente muito especial por conta dessa situação cardíaca. Então, precisávamos de um transporte que garantisse um suporte adequado, com toda a estrutura de uma Unidade avançada e tripulado por um médico”, disse.

 

O trabalho do CRE

O Complexo, por sua vez, entrou em contato com o SAMU e com o Corpo de Bombeiros. Esse último garantiu a transferência com uma ambulância cedida pela Fundação Dom Pedro II. A ambulância conta com bolsa de medicação, bolsa de vias aéreas, ventilador mecânico, monitor cardíaco e acompanhamento de um enfermeiro. O paciente também  será acompanhado no trajeto por um médico cedido pelo HMI.

Como resumiu o Diretor Técnico do CRE, Madson Bedim, um trabalho muito bonito e feito a muitas mãos. “O papel do CRE foi ajudar na questão logística, é um trabalho que envolveu a competência de várias pessoas, do Estado de Goiás, do HMI, do Corpo de Bombeiros. Um verdadeiro trabalho em conjunto”, afirmou.

A Dra. Cristiane, que assumiu o cargo de Diretora Técnica do HMI recentemente, contou que esta foi a primeira vez que recorreu ao CRE, mas que não será a última. “Foi imprescindível o trabalho do CRE. Essa parceria entre as instituições é benéfica para a resolução dos casos clínicos que temos em todo o estado de Goiás. Já que garante uma condução adequada”, concluiu.

Ajustar fonte